quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Arqueologia: 650 tabletes cuneiformes babilônicos documentando 8.000 anos de história da Síria

Por H. Sabbagh


Síria (Hasaka) - Descobertas arqueológicas no sítio de Tell Lilan, localizado a 120 km a nordeste de Hasaka, indicam a importância histórica do local, que remonta ao início do segundo milênio a.C.

O sítio está localizado em uma das principais rotas comerciais da antiguidade, que liga Capadócia, Ashur e os principados da Anatólia.

As escavações realizadas em diversos setores do sítio desde 1978 demonstram que a área foi liquidada pela primeira vez durante meados do 6º milênio a.C. e continuou até o final de 1800 a.C.

Expedições descobriram cerâmicas que datam do período Halaf (6500-5500 a.C.) e do período Ubaid (6500-3800 a.C.), além de potes em forma de sino que remontam ao período de Uruk (4000-3100 a.C.).

As escavações revelaram um importante assentamento humano que remonta à época de Nínive. Cerâmicas, copos amarelos serrilhados, pedestais de estátuas coloridas e panelas foram achadas no assentamento.

O sítio abrange 15 hectares durante a primeira metade do terceiro milênio a.C., e posteriormente testifica uma explosão súbita, em termos de população e desenvolvimento civilizado durante meados do terceiro milênio a.C. Durante esta época, uma muralha e um sistema defensivo foram estabelecidos para proteger as áreas de habitação em expansão, transformando o local de uma pequena vila à uma cidade de quase 90 hectares.

Um templo foi escavado a nordeste do sítio. Suas características mais distintas são as suas fachadas, colunas ornamentadas e torcidas, e um salão central rodeado por átrios nos lados oriental e ocidental. Cerâmicas, tabletes e selos cilíndricos cuneiformes foram encontrados no templo.

O castelo encontrado na zona inferior do sítio continha um arquivo de 650 tabletes cuneiformes escritos no dialeto babilônico antigo, neles haviam textos administrativos e econômicos, mensagens políticas e tratados que lançam luz sobre o desenvolvimento na área após a queda do cidade de Mari (c.a 1759 a.C.).

Segundo os textos encontrados em Tell Lilan e em outros locais, a cidade recebeu o nome Shubat Enlil, que significa "Casa de Enlil (Enlil é um deus antigo) pelo rei assírio Shamshi-Adad I. Antes disso, era conhecido como Shekhna, este nome foi utilizado novamente após a morte de Shamshi-Adad I em 1776 a.C. A cidade foi destruída pelo rei Samsu-iluna da Babilônia, em 1728, e permaneceu desabitado desde então. (SANA)


Fonte: Global Arab Network

0 comentários:

Postar um comentário