quinta-feira, 7 de julho de 2011

BIOGRAFIA: Quem foi Jacó Armínio


Quem foi Jacó Armínio


Jacó Armínio foi um teólogo holandês (1560 - 1609), nascido em Oudewater, Utrecht. Muito jovem tornou-se órfão de pai1 (Hermann Jakobs), que deixou uma viúva com três filhos pequenos para criar. A sua mãe (Angélica), irmãos e parentes morreram durante o massacre espanhol em Oudewater em 1575.2 O pastor Theodorus Aemilius adotou Armínio e o enviou para ser instruído em Utrecht, após a sua morte, coube ao professor Rudolph Snellius trazê-lo a Marburgo e o qualificar para estudar teologia na recém-fundada Universidade de Leiden (1576-1582).3

A sua formação teológica em Leiden, entre 1576 a 1582, incluiu os professores Lambertus Danaeus, Johannes Drusius, Guillaume Feuguereius e Johann Kolmann. Kolmann ensinava que o hiper-calvinismo transformava Deus em um tirano e homicida, sob a sua influência Armínio começou a elaborar uma teologia que competiria com teologia reformada dominante de Calvino. Em 1582, Armínio tornou-se aluno de Theodoro de Beza em Genebra. O uso do método filosófico ramista o forçou a mudar-se para Basileia4 (1582-1584), onde assistiu às aulas de J. J. Grynaeus. De volta a Genebra, Armínio fez amizade com Johannes Uyttenbogaert, que viria a ser o seu principal aliado nas futuras discussões teológicas. Durante estes anos, em Genebra ele gozou de uma boa relação com Beza, que respondendo a uma carta vinda de Amsterdã (Junho de 1585) disse o seguinte:


“Deus lhe deu um apto intelecto tanto ao que concerne a apreciação quanto ao discernimento das coisas. Se, doravante, este for regido pela piedade,... inevitavelmente este poder intelectual,... irá produzir os mais ricos frutos.”5


A sua estadia em Genebra foi novamente interrompida (1586/1587) por uma viagem à Itália que durou alguns meses. Em Pádua ele assistiu as aulas de filosofia de Tiago Zabarela. Por ter passado em Roma os seus acusadores lhe infamaram, dizendo que tinha “perdido a fé (calvinista)” devido à exposição dos jesuítas.

Em 1588, ele foi chamado para ser pastor em Amsterdã, a partir de então, Armínio ganhou reputação como um promissor teólogo, bem educado em Marburgo, Leiden, Genebra, Basileia, Pádua e recomendado por Beza. Em 16 de setembro de 1590 ele se casou com Lijsbet Reael, uma aristocrata que lhe garantiu circular entre os comerciantes e líderes mais influentes da cidade. Em 1591, no entanto, ele se envolveu em uma disputa6 com um imigrante flamengo chamado Petrus Plancius (1552-1622), onde foi necessário a intervenção do consistório, pelos burgomestres de Amsterdã, para manter a paz e abafar as divisões na população.7

A fama de Armínio como homem bem instruído na Sagrada Escritura o fez ser recrutado pelos líderes da igreja de Amsterdã para refutar as ideias do teólogo Dirk Koornhert. Segundo este teólogo, o calvinismo é inaceitável, pois a sua doutrina sobre a predestinação nega a justiça de Deus. Com o objetivo de refutar Koornhert, Armínio estudou os seus escritos e comparou-lhes com as Escrituras, com a teologia dos Pais da igreja e de outros teólogos protestantes de influência.8 Ao final dessa empreitada, Armínio se convenceu que algumas das ideias de Koornhert estavam corretas.9

A morte quase simultânea em 1602 de dois professores da Universidade de Leiden, Franciscus Junius e Lucas Trelcatius o ancião, abriu espaço para que Armínio em 1603 fosse chamado para ensinar teologia. Armínio e Lucas Trelcatius o jovem foram admitidos, mas Franciscus Gomarus (1563-1641) cautelosamente aprovara Armínio por suspeitar de heterodoxia. A admissão de Armínio trouxe um novo período de debates teológicos e teve apoio político por parte de Johannes Uyttenbogaert e Johan van Oldenbarnevelt.

Armínio permaneceu em Leiden como professor de 1603 até sua morte em 1609. Durante este tempo, ele envolveu-se numa árdua disputa com o seu colega teólogo Franciscus Gomarus, que representava a teoria supralapsariana da eleição. Segundo esta teoria, Deus decretou a eleição de alguns e a condenação de outros, e depois permitiu a queda como meio pelo qual essa eleição e reprovação teriam efeito.10 Armínio não negava que a Bíblia falava sobre predestinação, mas afirmava que Deus predestinou aos eleitos porque sabia de antemão quem teria fé em Jesus Cristo. Gonzalez explica o seguinte sobre a teologia de Armínio: “...o grande decreto da predestinação determinava que Jesus Cristo seria o mediador entre Deus e os seres humanos. Esse era um decreto soberano, que não dependia da resposta humana. Mas o decreto referente ao destino de cada pessoa se baseava, não na vontade soberana de Deus, senão em seu conhecimento de qual seria a resposta de cada pessoa ao oferecimento da salvação em Jesus Cristo.”11

Em 1607 Armínio apelou aos Estados da Holanda, para que através de um concílio ou sínodo estes problemas pudessem ser resolvidos com dignidade e com base bíblica. Então, em março de 1608, a Suprema Corte colocou Armínio e Gomarus frente a frente para ouvi-los. O veredito foi que, não tendo a controvérsia relação com os pontos principais referentes à salvação, então que cada um fosse indulgente com o outro. A não desistência de Gomarus em atacar Armínio levou os Estados da Holanda a propor aos dois oponentes uma reunião de reconciliação. Essa reunião seria realizada em Haia (agosto de 1609), mas Armínio que estava com tuberculose viu-se forçado a voltar para Leiden, onde morreu em outubro de 1609.12


Notas:

1 BANGS, Carl. Arminius: A Study in the Dutch Reformation. Grand Rapids: Asbury Press, 1985. 25p.
2 WALKER, Williston. História da Igreja Cristã. Trad. Paulo D. Siepierski, 3. ed. São Paulo: ASTE, 2006. 634p.
3 LEEUWEN, Marius van; STANGLIN, Keith D.; TOLSMA, Marijke (eds.). Arminius, Arminianism, and Europe: Jacobus Arminius (1559/60-1609). Leiden: Brill, 2009. Introdução ix-xvi pp.
4 Idem.
5 Idem. Tradução do autor.
6 A disputa estava relacionada a sua exposição de Romanos 7 e 9, e as declarações sobre a eleição divina e a reprovação.
7 ISRAEL, Jonathan I. The Dutch Republic. Its Rise, Greatness, and Fall, 1477-1806. New York. Oxford University Press: 1995. 347p.
8 GONZALEZ, Justo L. Historia del Pensamiento Cristiano. Nashville: Editorial Caribe: 2002. 3 vols. V. 3. 285p.
9 ___________________Historia del Cristianismo. Miami: Editorial Unilit: 1994. 2 vols. V. 2. 316-317pp.
10 WALKER. op. cit., 634p.
11 GONZALEZ, Justo L. Historia del Pensamiento Cristiano. Nashville: Editorial Caribe: 2002. 3 vols. V. 3. 285p.
12 LEEUWEN, Marius van; STANGLIN, Keith D.; TOLSMA, Marijke (eds.). op. cit. Introdução ix-xvi pp.


Imprima este artigo em formato PDF

3 comentários:

Unknown disse...

Os erros de vírgulas atrapalharam um pouco a leitura mas foi boa.

serva do Altíssimo. santos disse...

Gostei muito útil e bem claro.No momento estudando a Obra da Salvação e a Salvação e o livre-arbítrio.

Vania santos disse...

muito bom precisamos conhecer a obra da salvação,para não ser pego de surpresa naquele grande dia.

Postar um comentário