sábado, 29 de maio de 2010

Arminianismo: Teologia Centrada na Graça

Algumas pessoas acreditam que o arminianismo não é nada mais do que uma teologia centrada no homem. O teólogo calvinista Louis Berkoff faz essa suposição falsa em sua Teologia Sistemática quando escreve que, essencialmente os arminianos acreditam que o homem coopera com Deus a fim de garantir a sua salvação. Isso simplesmente não é verdade e é uma falsa representação do arminianismo. Armínio nunca ensinou em seus livros que a salvação é produzida pela vontade da carne ou pelas as obras da carne. Ele ensinou corretamente, como fizeram os reformadores antes dele, que a salvação era obra do Espírito Santo através da pregação do evangelho de Jesus Cristo (Tito 3:5-7). Armínio acreditava, assim como Martinho Lutero e João Calvino, que a salvação era pela graça soberana de Deus dada a nós em Jesus Cristo e recebida pela fé (Efésios 2:8-9; 2 Timóteo 1:9-10).

No entanto, hoje a noção do arminianismo ser centrado no homem teologia continua. Se você simplesmente colocar "arminianismo teologia centrada no homem" no google, você terá todos os tipos de sites que divulguem esta ideia falsa. Repetindo, os arminianos não são semi-pelagianos nem pelagianos. O arminianismo defende a depravação humana, acredita que não há nenhum justo (Romanos 3:10), acredita que o salário do pecado é a morte (Romanos 6:23) e acredita que a salvação é obra de Deus do início ao fim.

Em toda a realidade, eu gostaria de afirmar que o arminianismo não é uma teologia centrada no homem, mas é uma teologia centrada na graça. O calvinismo gosta de invocar o rótulo "Doutrinas da Graça", mas na realidade, quando você compara os dois sistemas o arminianismo é realmente uma teologia centrada na graça. Como assim?


1) Os arminianos ensinam que Deus deu a Sua graça, em seu Filho. João 1:17 diz: "Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo." Tito 2:11 diz: "Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens." Quem é esta graça encarnada senão o próprio Senhor Jesus. Jesus disse que se os Seus Apóstolos lhe viram, eles tinham visto o Pai (João 14:9). Jesus demonstrou perfeitamente o Pai já que Ele é um com Ele (João 10:30). A graça de Deus não é um ensino abstrato, mas é uma pessoa na Pessoa de Jesus Cristo. Jesus foi a graça de Deus dada à humanidade.


2) Os arminianos ensinam que Jesus morreu por todas as pessoas. Baseando-se em Tito 2:11 vemos que esta graça, na Pessoa de Jesus veio para a salvação de todas as pessoas. João 3:16 diz que Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito para morrer por nós. 1 João 2:2 diz: "e Ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro." Somente aqueles que abraçam o evangelho são salvos (Romanos 10:9-17), porém todos podem ser salvos mediante o cumprimento das condições que o próprio Deus criou, que são a fé e arrependimento (Atos 2:39; 2 Pedro 3:9).


3) Os arminianos ensinam que a salvação é realizada através de Jesus Cristo pela graça de Deus. De forma alguma acreditamos que a salvação se dá por mérito humano ou de obras. Jesus disse que a obra de Deus é crer naquele que ele enviou (João 6:29). Romanos 4:5 diz claramente que as obras não obtém justiça. Isaías 64:6 diz que a nossa justiça é imunda diante de Deus. Nossa única esperança de salvação é encontrada em Jesus e só Jesus (João 14:6). Não ousamos confiar nas obras da carne, mas só na Sua justiça perfeita (Filipenses 3:8-9; Cf. Romanos 10:4). O milagre do novo nascimento vem através do Espírito de Deus, regenerando-nos (João 3:3-7; Tito 3:5) Ele purifica os nossos corações do pecado, por Sua graça (Atos 15:09, 11). AS obras são importantes na vida do discípulo (Tiago 2:14-26), contudo as obras fluem de nossa salvação (Efésios 2:10) e nunca a obtém ou a segura (Romanos 11:6).



Fonte: Arminian Today

2 comentários:

Igreja Cristã Presbiteriana Conservadora disse...

Ora caro irmão! Certamente o Arminianismo ensina uma teologia centrada no homem! E tambem, certamente o Arminianismo não é semi-pelagiano, mas é, de fato Pelagiano por completo! O Próprio irmão que escreveu acima, falou que a salvação depende do cumprimento das condições que Deus mesmo colocou que são a fé e o arrependimento. Mas, o Cavinismo afirma que até a fé e o arrependimento são provenientes do próprio Deus, e não da vontade do homem de salvar-se. Sendo assim, de fato, o arminianismo é completamente equivocado e afirma coisas aqui e depois não as confirma, mudando completamente o seu pensamento teológico! Peço ao amado irmão, que procure estudar melhor a Teologia Calvinista confrontando-a com o arminianismo, entretanto sem nenhum partidarismo! somente assim poderá chegar ao conhecimento da verdade! Deus o Abençoe! Rev. José Geraldo P Silva. ICPC

Personaret disse...

Gostaria de fazer algumas considerações irmão Reverendo José.

1) O que é uma teologia centrada no homem?

Uma teologia centrada no homem coloca toda a responsabilidade da salvação sobre o homem e não em Deus por meio de Cristo, rompendo assim com a afirmação teológica reformada "Soli Deo Glória" e "Solus Christus. Armínio nunca ensinou que a salvação, inerentemente, é uma obra humana. Aliás, ele próprio foi um grande defensor da doutrina da Total Depravação.

2) Quais são as condições para a salvação?

Paulo, o Apóstolo, falou que:

"ὅτι ἐαν ὁμολογήσῃς ἐν τῷ στόματί σου κύριον Ἰησοῦν, καὶ πιστεύσῃς ἐν τῇ καρδίᾳ σου ὅτι ὁ θεὸς αὐτὸν ἤγειρεν ἐκ νεκρῶν, σωθήσῃ·" (Rm 10.9)

Aqui temos uma oração condicional de terceira classe. Ou seja, se realmente alguma pessoa declarar e crer no nome de Jesus será salva. O próprio Paulo coloca condições para as pessoas serem salvas. E isto está de acordo com o princípio do "Sola Fide". Como bom cristão arminiano que sou, creio, portanto, na justificação somente pela fé, ensinada por Lutero, Calvino e Armínio.

Como diz a Escritura: "Todo o que nele confia jamais será envergonhado". (Rm 10:11 NVI)

3) Qual é a origem da fé?

Aqui, sim, está um dos pontos em que nós realmente divergimos. O arminianismo não diz que a fé pode ser possível sem a graça de Deus, por meio da ação do Espírito na pregação da Palavra (i.e concordamos com o princípio da "Sola Gratia"). Porém, o que o arminianismo expressa é que a fé precede a regeneração, sendo assim, a causa instrumental dela. Os irmãos monergistas invertem essa ordem, colocando na regeneração a causa instrumental para a fé e a justificação.

Veja mais no link: Comparação entre a Ordo Salutis arminiana e a calvinista

No próprio ceio do monergismo há diferentes interpretações sobre a graça. Ex: Lutero acreditava que a graça era resistível e que a salvação poderia ser perdida, embora Deus quisesse seriamente a salvação dos eleitos em Cristo (i.e eleição corporativa).

Veja a seguinte declaração:

e. Renascimento – O homem natural não entende a boa nova da salvação de Cristo. Ele repudia a verdade como loucura e busca sua própria justiça nas obras da lei. Por sua própria razão e força o homem não pode vir a Cristo, nem crer nele. Mas o Espírito Santo chama e trabalha sincera e eficazmente em todos que ouvem sua Palavra e aos quais os sacramentos são ministrados, a fim de levá-los ao arrependimento e a confiarem na graça de Cristo. Assim, opera a fé e regenera a liberdade. Essa graça é resistível e muitos se perdem devido a sua obstinada e contínua resistência. Mas os que crêem recebem o que a palavra de Deus lhes oferece, dá e sela: completo perdão dos pecados, vida eterna e salvação. Estes, que renasceram pelo poder de Deus Espírito Santo, têm, enquanto na fé, os benefícios de Cristo: perdão, boa consciência e a adoção de filhos.

No link: IELB - Diretrizes Teológicas e Práticas da Mordomia Cristã

Igreja Luterana - Seminário Concórdia, pg 263

O monergismo de Lutero se aproxima mais do sinergismo arminiano que do monergismo de Calvino.

Vou seguir o conselho do irmão e buscarei conhecer ainda mais a teologia calvinista, pois o próprio Calvino tinha uma teologia diferente da que foi estabelecida em Dort.

Boas Festas! Na PAZ de Cristo

Postar um comentário