quinta-feira, 22 de abril de 2010

Neandertais podem ter cruzado com os seres humanos duas vezes



Homo neanderthalensis, macho adulto. Imagem de: John Gurche, artista / Chip Clark, fotógrafo



(PhysOrg.com) - espécies humanas extintas, como os neandertais podem ainda estar conosco, pelo menos em nosso DNA, isso pode ajudar a explicar por que eles desapareceram do registro fóssil de cerca de 30.000 anos atrás.

Um exame de DNA de 1.983 pessoas de todo o mundo sugere que a extinção de espécies humanas como o Homo Neanderthalensis ou o Homo Heidelbergensis pode ser devido cruzamento com os nossos próprios antepassados durante dois períodos distintos, sendo que seus genes continuam em nosso DNA até hoje. A pesquisa foi realizada por um grupo de antropólogos genéticistas da Universidade do Novo México, o líder da equipe Jeffrey Long, disse que os resultados demonstram que os Neanderthals não desapareceram completamente, mas "que uma pequena porção dos neandertais sobreviveu em quase todos os seres humanos."

Os sujeitos do estudo foram tirados a partir de 99 grupos populacionais nas Américas, Oceania, Europa, Ásia e África, os pesquisadores analisaram mais de 600 posições de microssatélites no genoma, que são as seções que podem ser usadas como as impressões digitais. A doutoranda Sarah Joyce desenvolveu um árvore evolutiva para explicar a variação genética encontrada nas posições de microssatélites.

Os resultados foram inesperados, mas Joyce disse que a melhor explicação para a variação era de que os nossos ancestrais humanos e as espécies arcaicas cruzaram durante dois períodos após o primeiro Homo Sapiens ter saido da África: o primeiro na região do Mediterrâneo cerca de 60.000 anos atrás, e a segundo na Ásia Oriental cerca de 45.000 anos atrás. O grupo não encontrou nenhuma evidência da mestiçagem no DNA dos africanos modernos incluídos no estudo.

Os resultados sugerem que, após o primeiro cruzamento as populações migraram desde o Mediterrâneo até a América do Norte, Europa e Ásia. Um segundo cruzamento na Ásia, em seguida, alterou o genoma das pessoas que passaram a migrar para a Oceania.

Os resultados foram apresentados em 17 de abril na Associação Americana de Antropólogos Físicos em Albuquerque, Novo México, onde eles criaram um grande acordo de interesse entre outros pesquisadores na área, que tinha sido a tentativa de explicar algumas variações curiosas no genoma. Uma pesquisadora, Linda Vigilantes do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, na Alemanha, disse que as descobertas podem ajudar a explicar o que ela chamou de "desvios sutis" nas variações genéticas na região do Pacífico.

Outros pesquisadores do Instituto Max Planck, liderados por Svante Pääbo, terminaram o seqüenciamento do primeiro rascunho do genoma do Neanderthal no ano passado. (Veja o artigo da PhysOrg aqui.) Os resultados deverão ser publicados em breve e podem lançar mais luz sobre a possibilidade do cruzamento. Pesquisas anteriores sugeriram que os cruzamentos não ocorreram, mas ao contrário das últimas pesquisas de Pääbo, estes resultados iniciais não foram baseadas em uma análisecompleta do genoma.


© PhysOrg.com 2010


Fonte: PhysOrg

COMENTÁRIO DE PERSONARET

Aprendi na escola que duas espécies diferentes não se reproduziam entre si, mas quando acontecia "eventualmente" um cruzamento entre duas espécies diferentes os seus descendentes não seriam férteis. Será que todas essas espécies de "hominídios" não poderiam ser apenas seres humanos feios? A pretensa ciência gosta de macaquizar os homenens...

Me explica essa Darwin!

0 comentários:

Postar um comentário